Pages Menu
Facebook
Categories Menu

Posted | 0 comments

O Fiel Testemunho de Luigi Francescon

Este fiel testemunho da obra do nosso Senhor originada nesta cidade de Chicago, Illinois, não é para mostrar aquele que o escreve, mas sim para a glória de Deus que opera todas as coisas segundo o conselho da sua vontade; Efésios 1-11.

Eu, Luigi Francescon, nascido em 29 de Março de 1866 na comarca de Cavasso Nuovo, Prov. de Udine, (Itália), de profissão mosaísta. Vim para a América após ter cumprido o meu serviço militar, chegando a Chicago em 3 de Março de 1890. No mesmo ano, ouvi o Evangelho por meio da pregação do irmão Michele Nardi. Em Dezembro de 1891 tive do Senhor a experiência do novo nascimento.

Em Março de 1892, com o grupo evangelizado pelo irmão M. Nardi, e algumas famílias de fé Valdense foi formada nesta cidade a primeira igreja Presbiteriana Italiana, com o Senhor Filippo Grilli, Pastor, fui eleito um dos três Diáconos, e alguns anos depois ancião.

No princípio do ano de 1894 encontrando-me em Cincinnati, Ohio, em trabalho, aconteceu que uma noite enquanto no meu quarto de joelhos, lia o capítulo 2 da carta aos Colossenses, quando cheguei ao verso 12 ouvi uma voz que me repetiu duas vezes: “Tu não obedeceste a este meu mandamento”. Respondi: “Senhor, ninguém me falou dele”. Em 1 de Janeiro de 1895 casei-me com Rosina Balzano, (salva também ela no meio de nós no princípio de 1892). Como membro da administração de dita igreja, falei a essa administração do baptismo escritural, e como o próprio Senhor mo ordenou obedecê-lo: todos se me opuseram, incluindo o Pastor, que tinha informado por carta, na mesma noite, que o Senhor me falou!

No ano de 1898 o Senhor salvou o irmão Giuseppe Beretta, por meio dos Metodistas Livres, Americanos, (Free Methodist) e algum tempo depois se uniu também ele a nós, Presbiterianos Italianos.

Falei também a ele muitas vezes do referido baptismo, mas ele no momento não o compreendia. No princípio de Setembro de 1903 veio a Elgin, Ill. (onde eu e o irmão G. Marin executávamos um trabalho), e lhe falei de novo na presença de G. Marin da necessidade de obedecer ao mandamento do nosso Senhor; desta vez; (servindo-se Deus também de outros meios) foi convencido, e 2 dias depois fez-se baptizar mesmo em Elgin, por um irmão Americano, pertencente à “Igreja dos Irmãos”, (Church of the Brethren). Então lhe disse: “Irmão Beretta! agora que sois baptizado; na próxima Segunda-Feira dia 7 que é Labor Day, baptizar-me-eis também a mim”. No Domingo seguinte dia 6, tocava a mim como ancião presidir, dado que o Pastor se encontrava na Itália, assim tive a oportunidade de dizer ao povo aquilo que tinha no coração, e disse-lhes: “Nove anos depois de o Senhor me ter falado em obedecer ao Seu mandamento, amanhã com a ajuda de Deus tenho a oportunidade de obedecê-lo, e se algum de vós quiser assistir, venha ao lago (Lake-front em Chicago), em tal lugar, às tantas horas”. Vieram cerca de 25, e 18 deles obedeceram comigo. Fomos imersos pelo irmão G. Beretta.

Pouco tempo depois, o Pastor (F. Grilli) voltou da Itália, e no primeiro Domingo que tínhamos o serviço, disse ao Pastor que desejava dizer algumas coisas à irmandade antes do seu sermão; isso foi-me concedido; então antes de tudo pedi ao povo que se lhes tivesse feito alguma injustiça, que o testemunhassem; eles responderam que não tinham nada contra mim; depois os exortei (a irmandade) que se queriam participar das promessas de Deus era necessário obedecê-lo conforme a Sua Palavra. Depois disto, apresentei a minha demissão de ancião, secretário e também de membro daquela igreja. Todos ficaram admirados, dizendo-me que não os deixasse, lhes disse que aquela decisão, não era premeditada por mim, mas que me foi ordenada pelo nosso Senhor. Aconteceu depois, que aqueles que obedeceram juntamente comigo ao mandamento, quiseram sair, coisa que não julguei boa para eles fazer, todavia quiseram separar-se; por isso foi necessário reunir em algum lugar, para o bem daqueles que não sabiam ler. Assim a primeira reunião foi feita em casa do irmão Nicola Moles, na qual elegeram-me para eles ancião, então, eu propus também os irmãos G. Beretta, e P. Menconi, para abrir os serviços, uma semana cada um. Poucas noites depois decidiu-se reunir em minha casa.

Em 2 de Dezembro de 1903, parti para a Itália para uma visita à minha família. Regressando a Chicago (em princípios de Maio de 1904) encontrei estes irmãos cheios de si, produzindo contendas sem fim. Vendo isto, e não sabendo como proceder resolvi pedir conselho ao Senhor; o Senhor respondeu que me separasse deles até que Ele (o Senhor) me ordenasse voltar novamente para o meio deles. Isto aconteceu em Outubro de 1904. Comigo saíram também as famílias de N. Moles, Alberto di Cicco e alguns outros, e assim juntos nos reuníamos de casa em casa nos dias estabelecidos, e todos os Domingos partia-se o pão recordando a morte do nosso Senhor.

Eis, alguns dos preliminares da grande obra que o Senhor fez pelo Espírito Santo no povo Italiano.

Em fins de Abril, de 1907, o Senhor me fez encontrar com um irmão Americano, um dos primeiros que recebeu a Promessa do Espírito Santo em Los Angeles, no ano de 1906, e por meio dele soube, que no No. 943 W. North Ave., havia uma missão em que se pregava a promessa do Espírito Santo e que o próprio Pastor (W.H. Durham) tinha sido feito participante. Na primeira semana, frequentei os seus serviços sozinho, e o Senhor me assegurou que essa era a Sua obra. No Domingo seguinte me acompanhou o resto do grupo. No mês de Julho, minha esposa foi a primeira a ser selada com o dom do Espírito Santo falando em língua Sueca; a irmã Dora di Cicco foi a segunda falando em língua Chinesa. Em 25 de Agosto o benigno Senhor se comprazeu selar-me a mim também. Naquele tempo que se esperava a promessa, o Senhor fez saber ao irmão W. H. Durham e outros, que Ele (o Senhor) me tinha chamado e preparado para levar a Sua mensagem ao povo Italiano; que depois a seguir foi ainda confirmado pelo próprio Deus.

No princípio de Setembro testemunhei à família de Pietro Ottolini, os quais vieram também eles assistir aos serviços, e em poucos dias foram também eles selados. No dia 14 do mesmo mês, veio também o irmão Giovanni Perrou, e perguntei-lhe se conhecia o Evangelho, ele respondeu-me que tinha nascido Evangélico, perguntei-lhe também se tinha nele o testemunho de estar salvo, ele respondeu-me que não o sabia; então o exortei a pedir com todo o seu coração perdão a Deus, e depois buscar a promessa do Espírito Santo. Ele obedeceu, prostrando-se de joelhos, e naquele momento, o benigno Senhor o lavou com o Seu sangue, e também, o selou. Naquele momento se achavam presentes os irmãos G. Marin, e Agostino Lencioni, o qual este último (A. Lencioni) primeiro era contrário, mas depois tendo visto ele mesmo como o Senhor operou no irmão G. Perrou, (que ele conhecia) foi convencido a buscar também ele a face do Senhor.

No inesquecível dia 15 de Setembro do mesmo ano, na congregação No. 1139 W. Grand Ave., o Senhor se manifestou no irmão A. Lencioni, e muitos dos presentes julgando que ele não se encontrasse em si, formaram um ambiente confuso por não discernirem a obra de Deus. Dois dos presentes vendo isso, vieram me chamar, os quais eram os irmãos P. Menconi, e Luigi Garrou, dizendo-me que fosse ao lugar onde eles estavam reunidos. Antes de ir orei ao Senhor, o qual me ordenou ir. Quando entrei naquele local, o Senhor me encheu a boca para falar-lhes do poder do sangue do pacto eterno, e que só por ele se pode estar em pé na presença de Deus, e obter as Suas fiéis promessas. Imediatamente o Senhor se manifestou com a Sua presença, selando os irmãos P. Menconi, A. Andreoni, A. Lencioni, e outros, e a fama do nosso Senhor, e das Suas grandes obras foi espalhada, e sabido por muitos, os quais vinham para vê-la, e o Senhor os convencia, e os selava, velhos e novos (na fé) entre eles também os irmãos G. Marin, e Umberto Gazzari.

Nas primeiras semanas, o Senhor chamou muitos Carrareses, dentre os quais um dos fiéis está vivo, o irmão Alessio Adriani.

Quando voltei à congregação de Grand Ave., o irmão P. Ottolini abria o serviço e P. Menconi presidia. No terceiro serviço que tivemos, sucedeu que enquanto o irmão P. Menconi subia ao púlpito, o irmão P. Ottolini (guiado pelo Espírito Santo), deu um salto e disse em alta voz: “Irmão Menconi! pare; o Senhor me diz que enviou em nosso meio o irmão L. Francescon para instruir-nos”. O irmão P. Menconi foi confirmado pelo Senhor para ficar sentado no momento, e que depois também Deus servir-se-ia dele. Assim ocupei de novo o lugar de ancião de dita igreja até 29 de Junho de 1908.

No fim do mês de Outubro, o Senhor enviou minha esposa a Los Angeles, Calif., para dar o testemunho da promessa à família do irmão N. Moles, que estavam estabelecidos naquela cidade há cerca de um ano antes da manifestação do Espírito Santo, com o resultado que alguns deles foram selados; e depois se uniram com os irmãos Americanos daquela cidade.

Naquele tempo vieram alguns irmãos e irmãs de Hulberton, N. Y. visitar-nos, tendo ouvido como o Senhor estava operando no meio de nós. Poucos dias depois foram também selados, e voltaram para o seu destino com o penhor nos seus corações. Pouco tempo depois veio também o irmão G. Beretta, e também ele recebeu o dom de Deus.

Naquele tempo, recebemos também em nosso meio os irmãos Leopoldo Tedeschi e Michele Iacovetti, (eles conheciam o Evangelho). No princípio de Dezembro, o Senhor falou pela minha boca, dizendo: “Eu o Senhor fiz habitar o Meu nome neste lugar, se vós me obedecerdes e fordes humildes, Eu enviarei para o meio de vós aqueles que devem ser salvos. Vos manterei juntos por um pouco de tempo para instruir-vos, depois enviarei alguns de vós em outros lugares para recolher outras minhas ovelhas. Este é o sinal que vos dou para vos confirmar que sou Eu que falei: Este local vos será pequeno para conter as pessoas que Eu vos enviarei”.

Logo após esta profecia, um irmão sentiu de comprar 60 cadeiras para acrescentá-las às que já tínhamos.

Naqueles dias o Senhor tinha operado nos irmãos Giacomo Lombardi, e Giovanni Rossi, e outras famílias, membros da igreja Presbiteriana Italiana, como também nos Católicos, dentre os quais o irmão Luigi Terragnoli. No Domingo seguinte (após a profecia) todas as cadeiras foram ocupadas, e muitas pessoas ficaram de pé. Foi feito o baptismo para estes últimos, no princípio de Janeiro de 1908, e cerca de 70 obedeceram ao mandamento do nosso Senhor; a maior parte deles já estavam selados com a promessa. De 15 de Setembro até fim de Dezembro de 1907, o Senhor fez muitas curas milagrosas, doenças crónicas e incuráveis para a ciência humana; aqui estão 4 de tais casos: G. Lombardi, P. De Stefano, Lucia Menna, e Fidalma Andreoni.

O Senhor também, permitiu que passássemos duras provas e perseguições; mas não se fazia caso delas, porque a graça de Deus abundava nos nossos corações, e as suas promessas eram fiéis.

Em Janeiro de 1908 os irmãos P. Ottolini, e G. Perrou, movidos pelo Espírito Santo e com a comunhão da igreja, foram à cidade de New York, (passando primeiro por Hulberton, N.Y.) com o resultado que alguns creram, dentre eles o irmão Silvio Margadonna.

Depois da partida de P. Ottolini, o irmão A. Lencioni tomou o seu lugar, a saber, de abrir o serviço.

Em Fevereiro, o Senhor fez sentir ao irmão A. Lencioni de ir a Hulberton, N. Y. e rebaptizar os crentes daquele lugar, porque não tinham sido imersos conforme a Sua Palavra, então o irmão G. Lombardi tomou o ofício de A. Lencioni, tendo ficado com ele até 15 de Julho.

Em Março do ano seguinte, o Senhor fez saber a mim, e ao irmão G. Lombardi, de deixar o trabalho material e estar à Sua disposição; ambos nos encontrávamos numa má condição financeira com 6 pequenos filhos cada um, mas para não temer que Ele (o Senhor) tomaria cuidado das nossas famílias.

Esta revelação nos foi confirmada mediante o dom da interpretação das linguagens; pelo que ficámos consolados em render-nos inteiramente à vontade do nosso Senhor.

No princípio de Abril, 4 irmãos partiram do meio de nós no espaço de 2 semanas, com destino a Itália; dos quais 3 voltaram sem sucesso, e um permaneceu com os seus familiares por um tempo, nos quais o Senhor operou, e depois vieram para Chicago, (o irmão mencionado que permaneceu na Itália, era Demetrio Cristiani). No mês de Abril, o Senhor nos enviou gloriosas mensagens, controladas pelo Espírito Santo as quais tiveram quase todas o seu cumprimento. Uma das profecias que já teve o seu cumprimento é a seguinte: Um irmão, depois de ter dado o seu testemunho, falou em linguagem estranha e depois se sentou; uma nossa irmã que tinha o dom de interpretação, levantou-se e disse: O Senhor nos faz saber hoje, pela boca deste irmão que os santos de Itália serão perseguidos sob o reinado de Vittorio Emanuele III. (Notai bem, que quando esta profecia foi dita, o testemunho desta obra não tinha ainda chegado a Itália). Ora como todos sabemos dita profecia foi literalmente cumprida no ano de 1936. Por ordem do Governo Italiano foram fechados todos os locais de reunião dos nossos irmãos, e proibidos de reunir-se em qualquer sítio, e os que eram surpreendidos reunidos, eram multados; e encarcerados, apenas pelo motivo de eles servirem ao Deus vivente segundo a fé Apostólica.

Em 29 de Junho, o Senhor me fez sentir de ir a St. Louis, Mo.; antes de partir, ordenei para anciãos desta igreja de Chicago, os irmãos Pietro Menconi, e A. Andreoni. O irmão Lombardi veio ter comigo a St. Louis em 15 de Julho, e de lá partimos para a Califórnia no princípio de Setembro. Ele voltou a Chicago, e depois partiu de novo, para Roma, Itália; onde o Senhor salvou ali bastantes, e foram por Ele (o Senhor) plantados para ser suas testemunhas naquela nação.

Eu permaneci em Los Angeles, recebi na casa do irmão N. Moles algumas irmãs que tinham sido salvas e seladas com o Espírito Santo nas igrejas Americanas daquela cidade. Nesse tempo o Senhor salvou ainda o irmão Serafino Arena e família, e alguns outros.Um tempo depois, o irmão S. Arena sentiu de levar o testemunho à Sicília, Itália, onde teve muito sucesso.Em 3 de Março de 1909, voltei a Chicago.

Movido pelo Espírito Santo, a 18 de Abril parti para Philadelphia, Pa., onde o Senhor salvou o irmão Giovanni Marcucci, sua esposa, e um filho, sua irmã Carolina, e uma sua filha, e a irmã Concetta. O Senhor plantou bem a Sua obra nessa cidade entre o povo Italiano, a qual foi confirmada pelo bom fruto que a seguir deu para a glória de Deus Pai. Voltei a Chicago em 22 de Julho. Por santa revelação e bem confirmado, em 4 de Setembro parti para Buenos Aires com o irmão Lombardi, e Lucia Menna, onde o Senhor operou na família de Michelangelo Menna, num campo da província de Buenos Aires. Voltei a Buenos Aires com o irmão Lombardi, e nos foi aberta uma porta nessa cidade, e também num subúrbio dela.

Em 8 de Março de 1910, partimos de Buenos Aires (por mandamento do Senhor) directos para São Paulo, Brasil. No segundo dia, após ter chegado a essa cidade, por guia Divina encontrámos num jardim (chamado Da Luz) um italiano de nome Vincenzo Pievani (ateu) que habitava em Santo António da Platina, Estado do Paraná, e lhe falámos da graça de Deus.

Dois dias depois Pievani voltou para a sua terra, e nós permanecemos na cidade de S. Paulo até 18 de Abril, dia em que por vontade do Senhor Lombardi partiu para Buenos Aires, e eu para S. António da Platina, chegando nesse lugar encontrei dois Italianos, um era o referido Pievani, e um outro de nome Felicio A. Mascaro, as suas esposas com o restante dos habitantes daquela terra eram todos Brasileiros, e todos de fé católica Romana.

Para ir a este lugar onde o Senhor me fez sentir, não tinha nenhum endereço a não ser o seguinte: V. Pievani, Santo António da Platina, Estado do Paraná. Havia só uma linha ferroviária que ia ao sul deste Estado, mas com mais de 200 quilómetros de distância do ponto mais próximo desta ferrovia a Santo António, que se encontrava a norte do Estado, naquele tempo não havia nenhuma estrada desde esse ponto que me ajudasse a dirigir-me a Santo António, e no meu coração duvidava em tomar referida linha.

Senti de ir à estação ferroviária e ver o mapa das linhas dos comboios, e o Espírito Santo me indicou a linha que devia tomar, a saber, a Sorocabana que percorria o Estado de São Paulo, e o fim dessa linha se encontrava próximo do norte do Estado do Paraná, e a sua última estação naquele tempo era Salto Grande. Parti de São Paulo às 5:30 A. M. com um mal de costas que só Deus sabe, impedindo-me de tomar alimento durante todo aquele dia. Cheguei a Salto Grande às 11 P. M.; lugar onde o Senhor me disse que tinha preparado tudo para mim, para cumprir a minha missão; e assim foi verdadeiramente; só que me restava fazer cerca de 70 quilómetros a cavalo, atravessando florestas virgens infestadas de jaguares, e outras feras daqueles lugares, fiz o resto dessa viagem com a guia de um Índio, por graça de Deus cheguei a Santo António em 20 de Abril. Uma outra minha dificuldade era, que não sabia sequer uma palavra da sua linguagem, sem dinheiro, e ainda doente, mas Deus que tem os corações de todos nas Suas mãos, me fez ver a primeira maravilha, ou seja, que enquanto entrava naquela região de Santo António, fez encontrar a esposa do italiano (Vincenzo Pievani) à janela e nos disse: “Eis o homem que eu vos enviei”, (eles não me esperavam) assim fui acolhido em casa deles, e poucos dias depois o Senhor abriu os seus corações, e depois ainda outros nove, ao todo foram baptizados na água 11 deles, e ainda confirmados com sinais do Altíssimo. Estas são as primícias dessa grande obra de Deus, nessa nação.

Depois disto, também o inimigo começou o seu trabalho para desfazer a obra de Deus, mas em vão foi o seu trabalho.

O resto do povo daquela região, sabendo da minha chegada, e também da minha missão, fizeram uma conjura contra mim para matar-me, com um padre à cabeça de todos. Não havia algum meio de escape para mim, se Deus não tivesse intervindo com os seus poderosos meios. O Senhor me tinha feito saber para estar lá, até 20 de Junho, e nesta prova estava pronto a render-me aos meus inimigos para poupar aqueles poucos crentes, que queriam matar juntamente comigo. Deus é testemunha disto, como também os irmãos vivos daquele lugar.

Parti de Santo António em 20 de Junho, para São Paulo, recém-chegado nessa cidade, o Senhor me abriu uma porta; com o resultado que cerca de vinte almas aceitaram a fé, parte delas Presbiterianos, alguns Baptistas, Metodistas, e Católicos Romanos; e quase todos provaram a Divina Virtude. Alguns deles foram sarados, outros ainda selados com o bendito dom do Espírito Santo.

Por volta do fim de Setembro parti para o Canal do Panamá deixando-os na mão de Deus, e com os conselhos que Ele (o Senhor) me deu de dar-lhes, para que Ele pudesse por meio deles continuar a Sua obra naqueles lugares. Até agora, o Senhor me enviou 9 vezes ao Brasil, e todas as vezes, notei um maior progresso no meio deles, tanto espiritual, como material.  Aqui vos dou uma prova que a obra do Brasil foi plantada pelo Espírito Santo, e guiada por ele: Na cidade de São Paulo há 30 congregações, todas de comum acordo, com mais de 6000 almas que rendem testemunho da graça de Deus. No relatório do ano de 1940, o número das congregações da nossa irmandade era de 305; do ano de 1935 a 1940 obedeceram 17,761 almas ao mandamento do nosso Senhor, para Jesus a glória. 

Eis, como o benigno Deus começou esta Sua obra. Pelo baptismo da água, segundo o mandamento do Senhor Jesus, fomos tirados das seitas humanas, e das suas teorias. Pelo dom do Espírito Santo, foi animada, e alargada; ao qual nada mais é preciso acrescentar pois o resultado dele falou, e ainda fala, desta maravilhosa obra, feita pela potente mão de Deus, ao qual seja dada toda a glória por Jesus Cristo bendito eternamente. Outrossim, todas as vezes que voltei à América do Norte sempre encontrei novidades nestes irmãos, coisas diferentes ao que tinham recebido no princípio. Mas dou graças a Deus, que sempre me iluminou, e me fez discernir o bem, e o mal, permanecendo firme no Seu conselho, e na Sua verdade.

Este testemunho é uma história (resumida) desta obra do nosso Senhor, uma lembrança para a minha família, e também um conforto para esta irmandade de Chicago, a qual uma parte dela me sustém constantemente, fiel à palavra de Deus, tomando comigo a parte do nosso Senhor, como muitos irmãos noutros lugares, que não comprometeram a sua celeste vocação por respeito humano, nem por temor do que lhes podia fazer o homem mortal, nem por lisonjas ou sustos do maligno.

Nas batalhas do nosso Senhor, muitos nos abandonaram, mas Deus colocou outros no lugar deles, e ainda que muitos outros nos deixassem, sabemos, que temos um verdadeiro amigo, que não deixa nem abandona os seus fiéis, porque Ele é o eterno Senhor, o seu nome é a Palavra de Deus, o Verdadeiro e Fiel, aquele que julga e peleja com justiça, Aleluia.

Irmãos guardemo-nos do inimigo, e do seu lisonjeiro falar, para que não caiamos nos seus laços, mas firmes no conselho de Deus, para que possamos estar unidos com Ele, e com o Espírito Santo, servindo o nosso Deus com lealdade, pela fé que recebemos dele em Cristo Jesus nosso Salvador. Dou graças a Deus por Jesus Cristo, que Ele manteve a minha mente sempre desperta e clara até agora. Sem que tivesse conservado lembranças ou particulares da minha vida, nem da gloriosa missão que o Bendito me chamou para cumprir, pela fé no Senhor Jesus e virtude do Espírito Santo. Contemplando sempre do monte da minha submissão ao Senhor Deus meu, o panorama da Sua grande obra, vendo-me sempre presente nela; e por contar (quando Ele me dá a oportunidade) as Suas grandes maravilhas, as Suas misericórdias, Seus conselhos e libertações recebidas d`Ele. Vi o Seu poder e fidelidade às Suas promessas, e também os Seus juízos; e isto lembro é também um dom de Deus que o homem recebe d`Ele, para magnificar a Sua paciência, e as Suas obras, para dar a Deus o louvor e toda a glória por Jesus Cristo. Amen.

Chicago, Ill. Março de 1942.

Nesta segunda edição do meu breve testemunho foram feitas algumas correcções à primeira, e adicionado isto que se segue:

O Senhor se comprazeu enviar-me de novo ao Brasil, desta vez com minha esposa. Partimos de Chicago, Ill., em 27 de Outubro de 1947. Permanecendo no Brasil até 18 de Outubro de 1948. Encontrámos essa obra bem aumentada em número, também prosperada nas coisas materiais, e o seu progresso foi constante. Segundo o relatório oficial de 1951 (que devem dar todos os anos às autoridades civis do estado de S. Paulo) o número das congregações chegaram a 815 das quais 217 de sua propriedade. Do ano 1942 ao 1951 obedeceram ao mandamento do Senhor Jesus 74.775 almas. As 46 congregações agora existentes na Cidade de São Paulo, com as vizinhas são representadas por 5 irmãos (trustees) curadores das coisas materiais, para dar conta às autoridades, conforme a lei exige, isto é, para dar a César as coisas pertencentes a César. A parte espiritual é governada pelos Anciãos, pela Guia do Espírito Santo, os quais se reúnem uma vez por semana em oração para pedir conselho e guia ao Senhor, depois é comunicado às congregações aquilo que o Senhor lhes faz sentir. O mesmo é feito pelos Anciãos em diferentes zonas fora da Cidade de S. Paulo. Para os serviços de baptismos, santas ceias, etc., ou para alguma urgente necessidade, se reúnem também em oração a fim de que o Senhor mande quem ele quer para tal ocasião, fazendo depois por eles aquilo que prometeu na sua palavra, porque o querer e o operar pertence ao Redentor e Senhor nosso, quando a nossa confiança é posta toda n`Ele, Aleluia. Este é o caminho do céu aprovado pelo eterno Senhor. Amen.

311 N. Lombard Ave. – Junho de 1952

Oak Park, Illinois

O fiel testemunho de Luigi Francescon,

Extraído de um opúsculo publicado por “Italian First Pentecostal Bible House – Established since 1938 – 6130 Glenoch St., Phila. 24, Pa.”.

 

Post a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *